Para onde vão os guarda-chuvas está entre os nomeados para Livro do Ano de 2013 da Time-Out. Mário Rufino também faz um destaque especial do livro entre os 10 melhores do ano, aqui.  

«Num Oriente imaginado mas contemporâneo, Afonso Cruz cria uma tapeçaria de histórias sobre o vazio, os ciclos do ódio e a forma de os superar. Afonso Cruz pertence a uma casta rara de ficcionistas: os que acreditam genuinamente no poder da efabulação literária. Se isto já era notório nos seus quatro romances anteriores […], mais evidente […]

«Comecei o livro sem expectativa alguma. Queria ser surpreendida. Estou a ser mais do que surpreendida. Estou a gostar cada vez mais deste livro.», por Cláudia Oliveira. Ler o artigo completo aqui.  

«Tal como noutros livros de Afonso Cruz, encontramos em “Para onde vão os guarda-chuvas” uma escrita brilhante e tremendamente imaginativa caracterizada por uma beleza delicada bem como por um  forte pendor filosófico que deslumbra e encanta.» Continuar a ler aqui.  

«Amei-te muito, às vezes sem saber e sempre sem te ter dito. Sempre foste mudo de palavras e emoções. Eu, desobedeci-te nas emoções, mas fui fiel seguidora na frugalidade das palavras. Sei amar muito mas digo-o pouco. Não me custa amar mas custa-me entregar o amor às palavras. Como se as engolisse e as encerrasse […]

«Estimado Afonso Cruz, Terminei ontem a leitura de Para onde vão os guarda-chuvas e, por esta altura, já seria normal estar entusiasmado com o próximo livro. Acontece que ainda estou com a cabeça nos fragmentos persas, nos gestos do mudo e nas caudas dos cães. Estou à procura das perguntas certas. Tenho a impressão que apanhei este […]

«Deslumbrante! Sem dúvida um dos melhores livros que já li.» João Guerreiro, in Goodreads Continuar a ler aqui.